Unir esforços para um cuidado
materno e neonatal seguro
é emergencial

World Patient Safety Day 2021
Safe Care
17 de setembro de 2021

Dia Mundial da Segurança do Paciente

Cerca de 830 mulheres morrem todos os dias por eventos evitáveis relacionados à gravidez e ao parto. Além disso, 6.700 recém-nascidos falecem diariamente (1)(5). Diante de números tão trágicos e sabendo que é possível investir em estratégias para diminuir essa alta taxa de mortalidade, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu que as ações de segurança do paciente em 2021 devem enfatizar a importância de um cuidado materno e neonatal seguro.

No Brasil, a Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso nasceu para contribuir com essas ações. A iniciativa busca gerar um diálogo em prol da melhor assistência a mães e bebês, garantindo os direitos básicos do parto e do nascimento no nosso país. E o IBSP é uma das entidades que fazem parte desta importante causa.

#patientsafetyday
#aliancaparaopartoseguroerespeitoso
Lucas Zambon

“Depois de 2020, em que o foco foram os profissionais de saúde, o Dia Mundial da Segurança do Paciente deste ano traz a assistência materna e neonatal para nosso foco. Os cuidados em saúde começam com o início de uma nova vida, e trazer segurança para as gestantes e para os recém-nascidos é não só um ato que visa a qualidade da assistência em um momento crucial, mas também um ato de amor e valorização da vida.”

Lucas Zambon,
Diretor científico do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP)

Números alarmantes (1) (2) (5)

  • 830

    mulheres morrem todos os dias no mundo por causas evitáveis relacionadas à gestação e ao parto

  • 6.700

    recém-nascidos morrem todos os dias, o que representa 47% de todas as mortes de crianças com menos de 5 anos

  • 2 milhões

    de bebês nascem mortos todos os anos, sendo que 40% falecem durante o parto

  • 65%

    dos óbitos maternos ocorridos em 2018 foram de mulheres pardas ou negras

  • 94%

    de todas as mortes maternas ocorrem em países de baixa e média renda

Em 2021, no Brasil, temos 38 óbitos maternos por COVID-19 a cada semana. Em 2020, a média computada foi de 10 mortes semanais

O Brasil é o 10º país no ranking mundial de prematuridade com 300 mil nascimentos prematuros somente em 2019

Principais causas de morte materna (1)

Complicações na gestação, durante e após o parto matam milhares de mulheres todos os anos no mundo, mas a maioria dessas complicações pode ser prevenida ou tratada. As cinco principais causas de morte materna, representando 75% de todos os óbitos, são:

  • Sangramentos
    e hemorragias

  • Infecções

  • Pressão alta
    durante a gravidez
    (pré-eclâmpsia e eclâmpsia)

  • Complicações
    no parto

  • Aborto
    inseguro

Quais ações são necessárias para melhorar as taxas de mortalidade materna e neonatal?

Segundo a OMS (1), precisamos:

  • Aumentar a conscientização sobre as questões de segurança
    materna e neonatal, especialmente durante o parto

  • Envolver todos os atores dessa cadeia de saúde na adoção de
    estratégias eficazes e inovadoras

  • Investir em ações urgentes e sustentáveis que intensifiquem os esforços
    e alcancem todas as populações, garantindo os cuidados seguros

  • Defender a adoção das melhores práticas para prevenção de riscos
    evitáveis e danos tanto às gestantes quanto aos recém-nascidos

Aliança compartilha as
10 diretrizes para o Parto Seguro e Respeitoso

  • Equidade
  • Respeito
  • Redes de atenção
  • Parto Adequado
  • Prevenção à Mortalidade Materna
  • Pré-Natal
  • Prevenção da prematuridade
  • Letramento
  • Empoderamento e engajamento
  • Participação da família e comunidade
Victor Grabois

“A proposta da Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso é trazer luz ao problema e promover uma mobilização capaz de gerar o compromisso por parte das autoridades do executivo e do legislativo na tomada de medidas que garantam os direitos da gestante e do bebê. Com a Aliança, conseguimos unir agências governamentais, empresas privadas, projetos e iniciativas, além de profissionais da saúde, para criarmos as respostas necessárias para resolver a alta mortalidade materna e neonatal, um dos problemas de saúde pública mais graves do Brasil.”

Victor Grabois,
Presidente da Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (Sobrasp)

Checklist para o Parto Seguro

Lista de verificação da OMS (4)

Os checklists contribuem com a organização de processos complexos lembrando os profissionais envolvidos das tarefas essenciais para um cuidado de alta qualidade. Para um parto seguro, a OMS publicou uma lista de verificação que auxilia no combate às principais causas evitáveis de mortes maternas e neonatais. Esse checklist está dividido em quatro momentos e traz detalhes sobre como agir em cada uma das fases.

“O parto é um processo complexo e, por isso, é essencial que disponibilizemos tudo o que for necessário para garantir que tanto a mãe quanto o recém-nascido recebam os cuidados mais seguros.”

Organização Mundial da Saúde (OMS)

  • Admissão

    Examinar a mãe a fim de detectar e tratar complicações já existentes, confirmar se há necessidade de transferência para outra unidade, preparar a mulher e seu acompanhante para o trabalho de parto.

  • Antes do parto

    Examinar a mãe novamente a fim de detectar e tratar complicações que possam vir a ocorrer no momento da expulsão e preparar os eventos de rotina prevendo, também, possíveis situações de crise que possam ocorrer

  • Logo após o parto

    Examinar a mãe e o bebê na primeira hora após o nascimento a fim de detectar e tratar complicações e instruir tanto a mãe quanto seu acompanhante sobre sinais de perigo

  • Antes da alta

    Examinar a mãe e o bebê, garantindo que estão saudáveis, ter a certeza de que está tudo preparado e de que as opções sobre planejamento reprodutivo foram discutidas, e orientar sobre sinais de perigo e como agir diante deles.

Para facilitar a adesão à lista de verificação da OMS, o Portal de Boas Práticas da Fiocruz publicou um conteúdo traduzido para o português que instrui sobre a implementação deste checklist. Confira aqui.

Eventos com o IBSP para acompanhar

17 e 18 de setembro de 2021

2º Fórum Internacional de Segurança do Paciente

Karina Pires, diretora de novos negócios do IBSP, integra a comissão científica do evento e Lucas Zambon, diretor científico do Instituto, participará da mesa redonda “Qualidade assistencial nas UTIs” a fim de debater o papel da AMIB e a importância do Choosing Wisely, quais os registros nacionais, como medir a qualidade e a predição de eventos adversos nesse ambiente.

É profissional de saúde e quer participar?

Clique aqui e inscreva-se

17 de setembro de 2021

II Congresso de Segurança do Paciente da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora

José Branco, diretor-executivo do IBSP, fará a palestra “Segurança do paciente e COVID – Desafios do cenário atual e futuro

Inscreva-se

Saúde baseada em evidências

Periódicos científicos e portais sobre obstetrícia e pediatria para deixar nos favoritos

Nós apoiamos!

O IBSP apoia a campanha Unite for Safe Care com a proposta de que pacientes, profissionais de saúde, líderes e cidadãos possam trabalhar juntos para garantir a segurança do paciente e do trabalhador de saúde em todas as nações do planeta.

Alinhada com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ação visa construir uma comunidade global capaz de aumentar a conscientização sobre a falta de segurança nos cuidados de saúde que a pandemia trouxe à tona.

#uniteforsafecare

Unite-For-Safe-Car